PAULO HALM

Paulo Halm é sócio-diretor e fundador da Canhota filmes. Atua como roteirista e diretor cinematográfico ao longo de 35 anos e também é autor de novelas da Rede Globo. Escreveu diversos longas-metragens de sucesso no cinema nacional e premiados como Pequeno dicionário amoroso I e II, Amores Possíveis, Cazuza- o tempo não para, Casa da mãe Joana 1 e 2, Mauá, Quem matou Pixote?, Antes que o mundo acabe, Dois Perdidos Numa Noite suja, Achados e Perdidos (com o qual ganhou prêmio da Academia Brasileira de Letras), Olhos Azuis, Guerra de Canudos, Antes que o mundo acabe, entre outros. Para televisão, esta desenvolvendo a novela Bom Sucesso para a Rede Globo com previsão de estreia para agosto e já foi autor de três novelas: Totalmente Demais, Malhação Sonhos e Intensa como a vida. Foi indicado duas vezes para o International Emmy Awards, a mais importante premiação da indústria audiovisual do mundo. Como diretor, esteve à frente dos projetos como o longa Histórias de Amor Duram Apenas 90 Minutos (2010) e o longa documentário Hijab – mulheres de véu (2013), além de 10 curta metragens e um média metragem de 50’, a maioria deles premiados em festivais de cinema no Brasil e no Exterior: Robinson, 1982, CM, ficção, Na Calada da Noite, 1984, CM, documentário, melhor doc do RioCine Festival, Vigilante Rodoviário, 1986, CM, ficção, PSW – uma crônica subversiva, 1987, MM, ficção, melhor roteiro em Gramado, melhor filme, roteiro e ator no RioCine Festival, Melhor Filme Jornada da Bahia, Prêmio OCIC – Ofício Católico Internacional de cinema, Biu, a vida real não tem retake, 1995, CM, ficção, melhor roteiro e melhor filme em Brasília, Bela e Galhofeira, 1998, CM, ficção, melhor filme, roteiro e atriz em Gramado, Retrato do Artista com um 38 na Mão, 2000, CM, O Resto é Silêncio, 2003, CM, ficção, melhor filme júri popular no Festival de cinema luso brasileiro de Santa Maria da Feira – Portugal, Melhor filme no Alucine -festival de cinema latino americano de Toronto – Canadá, Melhor roteiro e melhor ator em Gramado, Prêmio OCIC, Ofício Católico Internacional de Cinema, Melhor ator, melhor roteiro e Prêmio da Crítica no festival de Recife, Oficina do Diabo (filmado em Portugal), 2004, CM, ficção, Maria Ana Maria Mariana, 2006, CM, ficção e O casamento de Mario e Fia, 2012, CM, ficção, prêmios de melhor diretor, direção de arte, música e atriz no Festival de Cinema da Amazônia.